Trabalhadoras do Distrito Federal visitam o Hospital Sofia Feldman

sexta-feira, 16 de novembro de 2018 as 17:39

O Hospital Sofia Feldman recebeu no dia 13 de novembro a visita de duas pediatras neonatólogas do Hospital Materno e Infantil de Brasília – DF, HMIB.

Sandra Lins e Marta Rocha vieram conhecer as boas práticas na assistência prestadas pelo Hospital por uma iniciativa da Secretaria de Saúde e do Ministério da Saúde. Em um concurso proposto pela Secretaria, “Práticas Inovadoras”, as pediatras apresentaram a ideia de humanização nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal com o uso do Polvo de crochê. Vencedoras, foram premiadas com a visita ao Sofia Feldman.

O envolvimento da comunidade e o trabalho da equipe multidisciplinar no Hospital chamara a atenção de Sandra Lins. “Há uma abrangência social muito grande”, explicou. Em conversa com Ivo Lopes, diretor técnico e administrativo do Sofia, Sandra percebeu a importância do transporte seguro para a gestante, já que o Hospital recebe mulheres transferidas de cidades interioranas. “O melhor transporte é a barriga da mãe e fazendo um link com o que a gente viu pela manhã, ficou muito evidente a necessidade da Casa da Gestante dentro da realidade que o Sofia Feldman vive, por ser um polo de suporte para muitas cidades em torno”.

Cuidando de quem cuida

O cuidado com o trabalhador, por meio de ações como o Sofia Em Forma, o Núcleo de Terapias Integrativas e a Creche José de Souza Sobrinho, também foi observado: “permitir que o trabalhador tenha esses benefícios foi algo que me marcou nessa visita. O coração fica mais leve, ao trabalhar sabendo que o filho está ali, pertinho, na Creche, traz uma tranquilidade grande”, concluiu Sandra.

Sandra Lins, coordenadora técnica da UTI neonatal, comentou que o HMIB, assim como o Sofia, é 100% SUS e passa por algumas situações semelhantes: “a UTI Neonatal sempre lotada, a necessidade de contratação de profissional, leitos fechados por falta de pessoal, esse é o nosso dia a dia”.

Marta Rocha, pediatra e neonatologista no HMIB, explicou que utilizar os Polvos nas UTIs foi uma proposta de humanização da assistência e que o trabalho é feito em parceria com voluntários, que doam o tempo, a linha, a confecção e a limpeza dos Polvos.

O HMIB é uma instituição “porta aberta” pediátrica, possui ambulatório, neonatologia, UTI materna e pediátrica. Com a implantação da Rede Cegonha, tornou-se referência distrital para gestação de alto-risco. Marta explicou que a dinâmica da assistência em Brasília é diferente. “Trabalhamos em Rede, se o bebê está estável vai para a cidade mais próxima da residência da mãe da criança, transferimos os bebês no pós-parto quando já estão estáveis e o mesmo acontece no caso da gestante”, contou.

A pediatra pensa que algumas estratégias do Sofia podem ser institucionalizadas por eles. “Estamos cheias de esperança, mas ainda não sabemos o que virá. A Casa da Gestante e o apoio dado aos trabalhadores são coisas que podemos batalhar para ter, para crescer”, explicou.