Doula

Doula Comunitária

Doula é uma palavra grega que significa ‘’aquela que serve a outra mulher’’. Doulas são voluntárias da comunidade, que de segunda a segunda, 24 horas por dia, acolhem e acompanham as mulheres que vêm ao HSF em busca de assistência ao parto. Priorizando as parturientes desacompanhadas, as doulas proporcionam apoio emocional, amparo e incentivo às mulheres em trabalho de parto e a seus familiares, estabelecem contato com os profissionais solicitados e, após o nascimento, incentivam a interação da mãe com seu bebê e a amamentação.

Além do aumento da qualidade e na grande contribuição para a humanização do atendimento, a presença amigável e constante das doulas produz ainda os seguintes resultados:

  • Redução do tempo de trabalho de parto;
  • Redução do uso de medicação para alívio da dor
  • Redução do índice de cesárea;
  • Aumento da taxa de aleitamento materno, exclusivo ao seio;
  • Resguardo de um tratamento individualizado personalizado à mulher, fortalecendo-a como cidadã diante do aparato médico-institucionalizado;
  • Maior segurança e satisfação da mulher e de seus familiares durante o trabalho de parto e o puerpério, possibilitando singularidade e emoção no momento do nascimento de uma nova vida;
  • Incentivo ao resgate da tradição, segurança e simplicidade do parto normal.

Multiplicando experiências (Notícias do Sofia nº 10)

A atuação da Doula Comunitária é uma das estratégias de Humanização da assistência ao parto e nascimento prestada às mulheres assistidas pelo Sistema Único de Saúde. Por serem mulheres que fazem parte da comunidade assistida pelo Hospital, as Doulas Comunitárias atuam no Controle Social, fortalecendo-o.

O Projeto Doulas Comunitárias, desenvolvido pelo Hospital Sofia Feldman em parceria com a Associação Comunitária de Amigos e Usuários do HSF, é pioneiro no Brasil como projeto hospitalar institucionalizado. Baseado na literatura científica, tem como objetivo melhorar os indicadores assistenciais e os níveis de satisfação das usuárias e usuários.

A parceria entre o Ministério da Saúde e o Hospital para a multiplicação da iniciativa em outras maternidades do Sistema Único de Saúde, prioritariamente das regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste do país, foi estabelecida em 2001 e 2003.

De outubro de 2002 a fevereiro de 2004, 97 pessoas participaram das capacitações realizadas nas seguintes instituições de saúde:
Hospital Universitário do Maranhão – São Luis (MA);
Unidade Mista Felipe Camarão – Natal (RN);
Maternidade Barros Lima – Recife (PE);
Maternidade Nascer Cidadão – Goiânia (GO);
Maternidade Bandeira Filho – Recife (PE),
Maternidade Benedito Leite – São Luis (MA).

De agosto de 2004 a outubro de 2005 foram realizadas 10 capacitações com 252 participantes, 184 capacitando-se para atuarem como Doula e 68 gestores e profissionais da área da saúde materna:
Maternidade Nascer Cidadão – Goiânia (GO);
UM São Sebastião – Brasília (DF);
IPERBA – Salvador(BA);
HMI N.S. Nazaré – Boa Vista (RO);
MEAC – Fortaleza (CE);
HM / H. Evangélico – Dourados (MS);
Secretaria Municipal de Fortaleza;
H. N. Sra da Conceição – Fortaleza (CE);
H.D.G.G.M. – José Walter (CE);
H.D.G.G.M – Barra Ceará (CE);
H.D.G.G.M – Messejana (CE);
M.C.M. Bárbara Eliodora – Rio Branco (RO);
Pró-Matre – Vitória (ES);
Dório Silva – Vitória (ES);
F.S.C.M. Pará – Belém (PA).

O projeto foi estendido às maternidades públicas do município de Belo Horizonte, região metropolitana e interior do estado. De junho de 2006 a julho a setembro de 2010 foram realizadas 16 capacitações com 413 participantes,entre gestores e profissionais da área da saúde materna das seguintes instituições:  Hospital Júlia Kubitschek; Hospital Risoleta Tolentino Neves; Hospital Sofia Feldman; Hospital Odilon Behrens; Maternidade Odete Valadares; Maternidade Municipal de Contagem; Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte.