NT Integrativas e Complementares

O Núcleo de Terapias Integrativas e Complementares (NTIC) iniciou suas atividades em meados de 2005. Em outubro de 2006, o Núcleo passou a atuar com uma proposta sistematizada de assistência, contando com a atuação de três terapeutas em diversas áreas do Hospital.

No Centro de Parto Normal é oferecido às parturientes escalda pés, homeopatia, aromoterapia, musicoterapia, método Rességuier e massagem, favorecendo a humanização do parto e nascimento, através de qualificação da vivência do trabalho de parto, relaxamento e alívio à dor.

Para quem está na Casa do bebê e  na Casa da Gestante Zilda Arns, o Núcleo oferece escalda pés e reflexologia, Qi gong medicinal, método Rességuier, musicoterapia e aromoterapia com objetivo de oferecer uma assistência de qualidade à mulher/mãe, melhorando a permanência durante a sua internação e do recém-nascido, promovendo o relaxamento, a diminuição da ansiedade e de dores no pós parto, o que favorece o contato, o vínculo e o cuidado com seu filho. Além disso, são realizadas rodas de conversa com objetivo de resgatar a cultura popular sobre chás e ervas medicinais.

O atendimento ao recém-nascido e à mãe, na Unidade Neonatal, é feito pelo NTIC após solicitação da equipe multiprofissional da assistência. Dentre as atividades do Núcleo para os recém-nascidos destacam-se a homeopatia, a auriculoterapia, a shantala, os florais e o método Rességuier.

Os recursos terapêuticos do Núcleo são disponibilizados também para os trabalhadores, reafirmando a necessidade de “cuidar de quem cuida”. No acolhimento feito pelo Núcleo, os trabalhadores contam com auriculoterapia, escalda pés e reflexologia, homeopatia, florais, iridologia, yoga e método Rességuier. E apesar de ser um recurso relativamente novo na Instituição, observa-se uma crescente aceitação e procura dos trabalhadores pelas terapias.

As práticas integrativas e complementares são definidas pela Portaria de nº 971, de 3 de maio de 2006 do Ministério da Saúde / Gabinete do Ministro, que aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único Saúde (Brasil, 2006a) e pelo decreto nº 5813 de 22 de junho de 2006 que aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências (BRASIL, 2006b), sendo monitoradas pelo sistema nacional de vigilância sanitária. Com esta política, busca-se atender à demanda da sociedade brasileira, amplia os serviços oferecidos pelo SUS e contribui para a consolidação de políticas de assistência à saúde ainda mais ampla e segura.